sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

ÉLVIO GRANJA, UM INESQUECÍVEL CONTADOR DE HISTÓRIAS




De minha frustrada tentativa de graduação em Direito, guardo boas lembranças de meados dos anos 1980 na FDC. Faltando um ano para conclusão, o curso foi interrompido pelas exigências de dedicação exclusiva ao jornalismo, mas se não pendurei mais um diploma à parede, levei para o resto da vida a experiência da convivência com personagens inesquecíveis.
    Um deles era paulista de voz grave, torcedor fanático do Corinthians, exímio contados de histórias, além de frasista refinado. Era o juiz criminal e professor de Direito Penal, Élvio Antônio Granja de Abreu, que ontem concluiu sua missão entre nós, aos 76 anos.
     Ainda na emoção de saber sobre sua passagem, vem à lembrança, com a voz e tudo, algumas de suas histórias, como aquela de quando era locutor esportivo em São Paulo e a partida fora interrompida por causa de mau tempo. O locutor chama o repórter de campo que tem novas informações, mas como era mal versado no latim saiu-se com essa pérola:
   Élvio trago informação de última hora. O jogo foi adiado sine die para a próxima quarta-feira.
    Maluco, para o professor Élvio Granja, é quem “conserta relógio com luxa de boxe” e mau advogado é aquele que “confunde habeas corpus com Corpus Christi”.
          E era engraçado quando se referia a alguns artigos do Código Penal relacionando aos números do Jogo do Bicho. Dizia o número do artigo, olhava para os lados como a certificar a ausência de quem pudesse torcer o nariz e sentenciava:
   Vamos abrir o Código no artigo 70... Porco no jogo do bicho.
      É dele que emprestei o argumento para minha frustrada carreira de operador de Direito. Sempre que alguém me pergunta se conclui o curso, digo invariavelmente que, depois que aprendi a diferença entre habeas corpus e Corpus Christi, me dei por satisfeito.
       Descanse em paz, professor Élvio Granja, na certeza de que ficará para sempre na história dos que tiveram a sorte de lhe cruzar o caminho.

Foto emprestada do blog de Claudio Andrade )

Um comentário:

Claudia Crespo disse...

EU TB TIVE A HONRA DE SER ALUNA DELE POR DOIS ANOS E ALGUNS OUTROS ENCONTROS NA FDC. FICARÁ PARA SEMPRE O GRANDE PRAZER DE ENSINAR E O DESEJO DE NOS TORNARMOS PESSOAS MELHORES.
COM CERTEZA OS AMIGOS FRATERNOS O ACOLHERAM COM FELICIDADE E ALEGRIA!
AH, E AO ENCONTRAR PROF. ALANO BARCELOS, ALDANO, JOSÉ CARLOS, RUTE DIGA-LHE QUE NUNCA TIVE MELHORES MENTORES!
CLÁUDIA CFRESPO